O Discurso de Obama no início do ano escolar

por jcerca em 10 de Setembro de 2009

Uma lição realista e pedagogicamente bem alicerçada

O discurso que o Presidente da América, Barack Obama proferiu aos alunos americanos no início de um novo ano escolar é de tal modo importante pela sua mensagem forte e actual que bem se pode aplicar também, na maior parte dos casos, aos estudantes portugueses e exemplo a seguir para os nossos políticos.

É um discurso realista porque parte do exemplo de pessoas concretas e actuais, ele e sua mulher incluídos, as quais  tiveram de vencer muitas dificuldades até chegarem onde chegaram.

A referência a pessoas conhecidas que Obama usou no seu discurso tem, sem dúvida, um maior impacto motivador, do que meras frases bonitas, ou belos conselhos, mesmo que vindos do Presidente dos Estados Unidos.

Essas pessoas, disse Obama, “não são diferentes de vocês. Enfrentaram dificuldades como as vossas. Mas não desistiram. Decidiram assumir a responsabilidade pelos seus estudos e esforçaram-se por alcançar objectivos. E eu espero que vocês façam o mesmo.”

Obama

O discurso de Obama é um discurso pedagogicamente bem alicerçado porque divide a responsabilidade não apenas pelos alunos, mas também pelos pais, pelos professores  e pelo próprio Governo.

Mas nesta responsabilidade partilhada é óbvio que a última palavra estará sempre na mão dos alunos:

“No entanto, a verdade é que nem os professores e os pais mais dedicados, nem as melhores escolas do mundo são capazes do que quer que seja se vocês não assumirem as vossas responsabilidades. Se vocês não forem às aulas, não prestarem atenção a esses professores, aos vossos avós e aos outros adultos e não trabalharem duramente, como terão de fazer se quiserem ser bem sucedidos”

E Obama, baseado mesmo na experiência da sua própria vida, acentua que a base desse sucesso está no estudo, seja qual for o destino que cada qual pretenda dar às suas vidas:

“No entanto, escolham o que escolherem fazer com a vossa vida, garanto-vos que não será possível a não ser que estudem.”

E alerta contra o abandono escolar:

“Não podem deixar a escola e esperar arranjar um bom emprego. Têm de trabalhar, estudar, aprender para isso.”

Com a  autoridade que o seu próprio exemplo de vida lhe confere, Obama, alia o esforço e o sucesso dos alunos ao progresso do próprio País.

“O que vocês fizerem com os vossos estudos vai decidir nada mais nada menos que o futuro do nosso país.”

E de novo o apelo à corresponsabilidade social das novas gerações  e o alerta ao abandono escolar:

“Precisamos que todos vocês desenvolvam os vossos talentos, competências e intelectos para ajudarem a resolver os nossos problemas mais difíceis. Se não o fizerem – se abandonarem a escola-, não é só a vocês mesmos que estão a abandonar, é ao vosso país.”

Exemplos de vida

obama2Obama, reportando-se uma vez mais à sua experiência de vida e à de sua mulher, reconhece as dificuldades por que passam muitos alunos hoje em dia, o  que lhes dificulta a tarefa de se concentrarem nos estudos, pelo que nem sempre  é fácil ter bons resultados na escola.

Mas apesar de todas as dificuldades familiares, apesar das circunstâncias da vida de cada um ou do sítio onde nasceram, tudo isso – alerta o Presidente- “não são desculpa para não fazerem os vossos trabalhos nem para se portarem mal. Não são desculpa para responderem mal aos vossos professores, para faltarem às aulas ou para desistirem de estudar. Não são desculpa para não estudarem.”

E mais uma vez reforça as suas afirmações em casos de pessoas  bem sucedidas mas que sofreram grandes fracassos na vida:

“Estas pessoas alcançaram os seus objectivos porque perceberam que não podemos deixar que os nossos fracassos nos definam – temos de permitir que eles nos ensinem as suas lições. Temos de deixar que nos mostrem o que devemos fazer de maneira diferente quando voltamos a tentar.”

 O trabalho do aluno é estudar

Todo o discurso de Obama se centra  no valor do esforço, da luta, do trabalho, a ponto de afirmar: ”Ninguém nasce bom em nada. Tornamo-nos bons graças ao nosso trabalho. Não entramos para a primeira equipa da universidade a primeira vez que praticamos um desporto. Não acertamos em todas as notas a primeira vez que cantamos uma canção. Temos de praticar. O mesmo acontece com o trabalho da escola. É possível que tenham de fazer um problema de Matemática várias vezes até acertarem, ou de ler muitas vezes um texto até o perceberem, ou de fazer um esquema várias vezes antes de poderem entregá-lo.”

E termina o seu discurso com apelos muito concretos aos alunos nesta sua primeira lição do novo ano escolar:

“Não tenham medo de fazer perguntas. Não tenham medo de pedir ajuda quando precisarem. Eu todos os dias o faço. Pedir ajuda não é um sinal de fraqueza, é um sinal de força. Mostra que temos coragem de admitir que não sabemos e que queremos  aprender coisas novas.”

obama1

Só uma pessoa carismática como Barack Obama poderia dar assim uma lição de vida às novas gerações, na qual o reconhecimento das dificuldades presentes são motivo para uma extraordinária dose de encorajamento que ajude a vencer o pessimismo da sociedade em que vivemos:

“E mesmo quando estiverem em dificuldades, mesmo quando se sentirem desencorajados e vos parecer que as outras pessoas vos abandonaram – nunca desistam de vocês mesmos. Quando desistirem de vocês mesmos é do vosso país que estão a desistir”.

Obrigado, professor Obama por esta magistral lição de  novo ano escolar.

José Cerca

Publicado no Semanário “Discurso Directo” nº72  de 18 de Setembro de 2009

Poderá ler o discurso integral de Barack Obama aqui:

 http://www.ionline.pt/conteudo/22105-leia-e-guarde-esta-licao

{ 3 comentários… lê abaixo ouadiciona }

1 Graça fraga 10 de Setembro de 2009 às 18:25

Realmente é um belo discurso, concordo plenamente com o que diz. .
É certo que não devemos desculpar-nos com as dificuldades familiares, nem com as circunstâncias da vida de cada um, mas é com esses problemas que nos deparamos, falar é muito simples o pior é dar o exemplo.Sem uma base na família, (não importa os recursos económicos), sem exemplos vindos de responsáveis pela escola, Director.Professores, Funcionários, não há bons alunos e isso nota-se quando neste discurso, o Presidente, também faz comparações com bons exemplos de sucesso, oriundos de fracassos, mas que souberam lidar com esse fracasso, só que para isso é necessário saber que falharam e conseguem-no atraves de modelos já existentes.Ninguém nasce ensinado e o mais lamentável, é vermos nas próprias escolas discriminação. Se o aluno é filho de “doutor” é um bom menino, se for um filho de “ninguém”, já não tem hipótese de ser tratado com educação, mas sim com frieza e nota-se até na forma como se tratam os pais, (claro que não é em todo lado); mas quero apenas dizer com tudo isto, que não é fácil estudar ou fazer o que quer que seja se não tiver exemplos vindos de cima, se não for tratado com dignidade, se apesar de rebelde, não for acarinhado, pois agressividade gera violência e é o que temos vindo a assistir por este mundo fora.
Este discurso é verdadeiro e possível, quando todas as crianças tiverem as mesmas oportunidades. Não me refiro a dinheiro, pois a educação cabe em cada casa.
Numa casa normal, todo o filho deve ouvir que o seu trabalho é o estudo, que não podem ter vergonha de perguntar, as vezes que forem precisas, o que ainda não perceberam, que devem ser educados com os professores e todo o pessoal que o rodeia,mas será assim em todas? Haverá educação em todas? Tempo para ouvir os seus filhos, ou melhor dizendo, interesse para os ouvir?
Realmente,é impossível tudo isto sem que os adultos se esmerem na sua conduta, face à sociedade e em particular à sua família.
Um bem haja para o Prof.Cerca que ainda acredita, como eu, que este péssimismo que atravessa as nossas vidas, irá ser vencido por gente com vontade de vencer, por gente que confia nela mesma e que o infortúnio da vida não é suficiente para abalar esta geração. Nós, adultos, temos de deixar de ser péssimistas e abrir um caminho menos tumultuoso para os nossos filhos. Caminhemos todos em conjunto para que as crianças gostem e apostem, num futuro onde o saber é a melhor arma para o desenvolvimento de um País.

Responder

2 Jorge Amorim 15 de Setembro de 2009 às 6:12

Bom dia
O discurso está de facto á altura do nível que Obama nos fez acreditar que seria e orienta-nos uma vez mais num esforço que se entende dever ser colectivo.
Pena é no entanto que os principais alvos do discurso, os alunos em geral, não lêem nem o discurso nem interiorizam a mensagem se esta lhes for metida pelos sentidos dentro.
Mas se mesmo assim, chegar a um aluno que encontre na mensagem a força necessária para construir melhor o seu caminho, terá valido bem a pena.

Responder

3 mario rafael 22 de Julho de 2015 às 6:41

gostei do conteudo do discurso serve para inccentivar a tudo o mundo sobre o valor da escola em todas as vertemtes

Responder

Anterior:

Seguinte: