GEOPARQUE AROUCA, UM PROJECTO PARA GERAÇÕES

por jcerca em 21 de Setembro de 2009

Medalha de Honra Municipal para o Dr.Artur Sá

Poucos minutos depois do Eng. José Sócrates ter passado por Arouca em campanha eleitoral, onde garantiu publicamente, ao lado do Presidente da Câmara, a construção de um importante conjunto de vias rodoviárias, englobadas na Concessão Vouga e que irão, definitivamente, romper as dificuldades de acessibilidade de Arouca à Grande Área Metropolitana do Porto, Artur Neves , por já estar atrasado, teve que pedir boleia desde a rotunda, para estar presente num outro acontecimento, verdadeiramente importante para Arouca e relacionado com o  Geoparque.

Medalha de Honra do Município

IMGP3329

Diz-se, e com razão, que Arouca “está na moda”. E se o está não é devido às figuras políticas que ultimamente a têm visitado em campanha eleitoral.

Arouca está na moda e ganhou visibilidade internacional e mundial sobretudo a partir do momento em que o Projecto Geoparque entrou, na rede europeia de Geoparks, no passado mês de Abril e, posteriormente, no passado dia 15 de Setembro, quando em Idanha-a-Nova, recebeu das  mãos do Presidente da Comissão Nacional da UNESCO o certificado da sua aceitação como membro da Rede Europeia de Geoparks (EGN).

É este um acontecimento de tal modo importante para o Concelho de Arouca que a Câmara Municipal decidiu atribuir, por unanimidade, a medalha de Honra Municipal ao Dr. Artur Sá, Coordenador Científico do projecto, pelo empenho e desprendimento sempre manifestados ao serviço do projecto Geoparque Arouca e pelo sucesso atingido, grande parte dele, graças ao excelente trabalho científico por ele realizado.

 Geoparque de Arouca. Porque não?

Embora acusticamente perturbado, durante alguns minutos,  pelas caravanas de campanhas políticas que àquela hora subiam a Avenida central de Arouca, o salão nobre da Câmara Municipal encheu-se para prestar homenagem àquele que é a grande alma científica e apaixonada pelo projecto que deu e continua a dar projecção internacional a Arouca, a nível científico e turístico.

Artur Neves, ainda mal refeito do vibrante discurso que acabara de fazer na Praça Brandão de Vasconcelos, ao lado do Eng. José Sócrates e  tendo agora a seu lado o Presidente da Assembleia Municipal, Zeferino Brandão e o homenageado, Dr. Artur Abreu Sá, começou por historiar a génese desta grande realidade que é hoje o Geoparque.

E ao fazê-lo evocou o dia 5 de Dezembro de 2005, quando Artur Sá, numa palestra de âmbito geológico, lançou o repto ao Presidente da Câmara Municipal de Arouca, então pouco tempo depois de ter  iniciado funções à frente do Município: Geoparque de Arouca. Porque não?

A partir daí e através de um longo e intenso trabalho de investigação e inventariação, o projecto foi-se estruturando, envolvendo cientistas de renome e mesmo algumas Universidades, até que, por mérito da qualidade científica do trabalho realizado, o projecto foi aceite na rede europeia de Geoparks, não só pelas particularidades geológicas relevantes que ele encerra, mas também  pela  quantidade de geo-sítios que ele inclui, a ponto de ser amplamente elogiado pela equipa de peritos da rede europeia que recentemente o visitaram.

Um projecto modelo

IMGP3328Englobando ciência, património e educação, o Geoparque Arouca constitui, efectivamente, um projecto sustentado, estruturante e integrador para todo o Concelho de Arouca. Daí que a Câmara Municipal, antes de terminar este seu mandato, tenha tomado a deliberação de prestar esta justa homenagem a quem tanto se tem dedicado de alma e coração a este projecto de referência que tem conseguido virar para Arouca os holofotes da comunicação social.

“O Concelho ganhou horas de divulgação televisiva gratuitas com este projecto” afirmou o Presidente da Câmara antes de entregar a Artur Sá a Medalha de Honra Municipal, tendo aproveitado para informar que, no próximo Dia do Município, será também entregue a Medalha de Mérito Municipal a Manuel Valério, proprietário da louseira onde foram descobertas as maiores trilobites do Mundo.

Um projecto para gerações

Visivelmente emocionado, com a Medalha de Honra ao pescoço, que lhe foi entregue, acompanhada por uma vibrante ovação do público que enchia o Salão Nobre, Artur Sá considerou-se agora “arouquense de pleno direito”, agradecendo a toda uma vasta equipa de pessoas que com ele têm trabalhado, nomeadamente a equipa da Associação Geoparque Arouca.

Recebendo esta condecoração em pleno período eleitoral, Artur Sá admite que será legítimo ao Presidente da Câmara colher os louros pela sua ousadia de ter acreditado e apoiado este projecto, mas considerou que este não é apenas um simples projecto afecto a qualquer força partidária, mas sim um projecto para gerações e ao mais alto nível internacional, uma vez que é patrocinado pela própria Unesco.

Comunidade científica

A acompanhar esta homenagem ao Coordenador Científico do Geoparque Arouca, esteve presente no Salão Nobre da Câmara um vasto conjunto de personalidades, não só do âmbito do relacionamento pessoal do homenageado, mas sobretudo da área científica a que se tem dedicado. Assim estiveram representadas as Universidades de Trás-os-Montes e Alto Douro, onde é docente, a Universidade do Minho, de Aveiro, de Coimbra e a Universidade Complutense de Madrid. Esteve ainda presente a Coordenadora Executiva do Comité Português para o Ano Internacional do Planeta Terra, bem como uma vasto conjunto de entidades locais. Destaque ainda para a presença de especialistas internacionais na área do Património Geológico e da Geoconservação, com ligações às Redes Europeia e Global de Geoparks, provenientes da Eslovénia, Inglaterra, Islândia, Itália e Brasil. Entre estes últimos, realce para a presença de uma comitiva do Geopark Araripe, que incluía as Secretárias de Estado da Ciência e do Ambiente do estado do Ceará.

Só por esta forte representação do mundo académico e científico se pode avaliar a importância que o Geoparque tem, não só para Arouca, como para o mundo científico.

José Cerca

Publicado no Semanário “Discurso Directo” nº73  de 25 de Setembro de 2009

{ 2 comentários… lê abaixo ouadiciona }

1 joaquim toscano 23 de Setembro de 2009 às 16:12

Até eu garantia muita coisa…
comò Gilberto que agora é da FPF
e…
Há vinte anos atraz dizia(quando G Civil de Aveiro e numa inauguração em Alvarenga – Vítor M estás lembrado?)
“Não volto mais a Arouca enquanto…as vias” etc e tal e…pardais ao ninho..”
Outras histórias, outros tempos!!!
Mas a espiral do tempo leva-nos a pontos concêntricos, de encontro..ou
Fenómenos do En(con)troncamento.
Espero que nos encontremos daqui a mais vinte.

Responder

2 Jorge Amorim 25 de Setembro de 2009 às 13:20

O mérito do homenageado é todo dele e naturalmente de quem sempre o apoiou e apoiou as ideias e trabalhos, sem duvida uma grande equipa por trás também.
A todos eles, os meus aplausos e regozijo.
Quanto à definição de desenvolvimento com base nas estradas e vias de acesso, é minha opinião, discordo totalmente. Não fosse o mérito devido também ao Sr. Valério Figueiredo e sensibilidade, talvez mais umas estradas tivessem levado as trilobites e o geoparque.
A definição de desenvolvimento é que carece cada vez mais de definição e essa definição numa mesa muito bem alargada e discutida. Para mim, falar em geoparque e aproveitamento das caracteristicas que Arouca e seu concelho ainda vai tendo, são sinónimo de desenvolvimento e outros que possam explorar muitas das nossas realidades. Se as estradas e são sinónimo de desenvolvimento… é talvez uma visão redutora do que se quer e de definição mesmo de desenvolvimento.
Mas essa seria outra discussão e retiraria o brilho dos homenageados neste evento.

Jorge Amorim

Responder

Anterior:

Seguinte: