EUROPA RECUA NO ABORTO, A FAVOR DA VIDA

por jcerca em 20 de Julho de 2011

Depois da Hungria ter aprovado a sua nova constituição em Abril passado e na  qual se protege a vida desde o momento da conceção, é agora a vez da Polónia se preparar para aprovar na sua constituição idêntica medida, o que questionará também naquele País europeu o direito das mulheres ao aborto.

Mantendo afastada da comunicação social estrangeira uma campanha pró-vida os seus  promotores justificaram essa atitude com medo de que os movimentos pró-aborto do estrangeiro enviassem dinheiro para combater os esforços dos polacos.

O resultado dessa campanha foi surpreendente. Na verdade, para conseguirem a proibição total do aborto no Parlamento polaco, os promotores dessa campanha precisariam de recolher 100.000 assinaturas em três meses. Pois conseguiram obter 600.000 em apenas duas semanas. Face a esse surpreendente resultado os polacos estão confiantes que o parlamento da Polónia aprovará um histórico projeto de lei que consagrará a proteção total dos bebés no seio materno desde a sua conceção.

Para se compreender esta extraordinária recolha de assinaturas, um dos promotores da campanha refere a grande mudança cultural a favor da vida nos últimos anos, em que os polacos se colocaram fortemente a favor da total proteção da vida desde a sua conceção, graças aos incansáveis esforços dos grupos pró-vida, que têm organizado manifestações e outras campanhas para educar o povo a favor da vida.

Refira-se que  o aborto foi,  inicialmente, imposto ao povo polaco, que é profundamente católico, quando os tanques militares de Hitler invadiram  o país há 70 anos. Após o fim do nazismo veio o comunismo soviético que reforçou a sua campanha estatal a favor do aborto.

 

Esta herança do nazismo e do comunismo será derrotada, como tudo leva a crer, face à grande mobilização dos polacos contra a cultura da morte que lhes foi imposta, institucionalizando assim, com este projeto de lei, a proibição total do aborto, desde que a atual lei foi aprovada em 1993.

 José Cerca

Publicado no semanário “Discurso Directo” nº167 de 15 de julho de 2011

Publicado no “Jornal de Arouca” nº791 de 31 de julho de 2011

Anterior:

Seguinte: