BODAS DE OURO SACERDOTAIS

por jcerca em 24 de Julho de 2013

50 anos ao serviço de Deus e do Homem

Por iniciativa do Pároco, Pe. João Bizarro, a comunidade paroquial de Santa Eulália, Arouca, vai prestar uma singela homenagem a dois sacerdotes, naturais desta Paróquia, por ocasião do 50º aniversário da sua ordenação sacerdotal, a ter lugar no Domingo 4 de agosto.

Trata-se dos padres Américo  Vilar e António Peres, ordenados presbíteros a 4 de agosto de 1963 e ambos em atividade sacerdotal em  Arouca.

Convite_50 anos_Vilar_Peres

O Pe. António de Brito Peres, atualmente capelão da Santa Casa da Misericórdia de Arouca, desde há 8 anos, exerceu a sua atividade sacerdotal nas paróquias de Miragaia, na zona ribeirinha do Porto, desde 1975 a 1984.

Depois de nomeado pároco da Paróquia de Moldes (Arouca), onde esteve durante 9 anos, acumulando o serviço pastoral das paróquias de Janarde e de Covelo de Paivó, assumiu a paroquialidade nas comunidades cristãs de Arouca e de Santa Eulália, também durante 9 anos, tendo sido substituído pelo atual pároco, Pe. João Pedro Bizarro, vindo a desempenhar, desde então, o cargo de capelão na Santa Casa da Misericórdia de Arouca.

Além do trabalho pastoral paroquial o Pe. Peres  desempenhou também o  cargo de prefeito no seminário  de Paraíso da Foz, durante 9 anos (1963 a 1972) tendo sido ainda professor de Religião e Moral nos liceus Garcia da Horta e  D.Manuel II.

Por sua vez, o Pe. Américo Pereira Vilar nascido no lugar de Jugueiros, da freguesia Santa Eulália, trabalha presentemente na Paróquia de S.Salvador do Burgo em Arouca, onde tem ainda a seu cargo o Centro Social Paroquial do Burgo, desde 2010.

Depois de ordenado iniciou o seu trabalho pastoral e apostólico na cidade de São João da Madeira, sendo sido, pouco depois, nomeado assistente diocesano dos organismos rurais da Ação Católica, e ainda professor de Educação Moral e Religião Católica na Escola Industrial e Comercial Soares dos Reis, em Vila Nova de Gaia. Em 1967 a pedido do Bispo do Porto assumiu as funções de diretor da “Obra do Padre Grilo” na cidade de Matosinhos, sendo simultaneamente professor no Liceu Nacional de D. Manuel II, no Porto, e mais tarde no Liceu Nacional de Matosinhos.

Em 1977 é nomeado pároco de Canelas e Espiunca, na Vigararia de Arouca, tendo em cada uma dessas paróquias fundado um Centro Social Paroquial.

A ação pastoral do Pe. Vilar envolveu sempre uma componente social relevante levando-o a participar em várias ações sociais em prol da comunidade.

Assim, participou não só na Comissão de Arranque da Associação dos Bombeiros Voluntários de Arouca, como também desenvolveu esforços para a criação da Escola Secundária de Arouca.

Tendo sido dirigente sindical dos professores, e também dirigente do Futebol Clube de Arouca, foi ainda sócio fundador do Lions Clube de Arouca e nomeado capelão, pelo Ministério da Saúde, do Centro de Saúde de Arouca.

A comunicação social também lhe mereceu regular dedicação, tendo sido colaborador da Rádio Regional de Arouca, desde o seu início, e do semanário “Defesa de Arouca” durante algumas décadas. É atualmente diretor do jornal mensal de Arouca “Roda Viva”.

Desde 1992 que é pároco da freguesia de São Salvador do Burgo, onde tem desenvolvido um relevante trabalho pastoral e social em prol dessa comunidade, destacando-se, não só o restauro da igreja paroquial e de todas as capelas da paróquia, a construção da capela mortuária e salas de apoio aos serviços paroquiais, bem como a construção  do Centro Social Paroquial do Burgo, inaugurado em 2010.

Em reconhecimento de toda a sua ação social a favor das comunidades por onde tem passado, a Câmara Municipal de Arouca, deliberou, atribuir-lhe, em 1999, a Medalha de Mérito Municipal – grau Ouro.

A homenagem

A homenagem a estes dois sacerdotes arouquenses, na comunidade paroquial em que nasceram, terá lugar no dia 4 de agosto e constará de uma missa campal no adro da Igreja de Santa Eulália pelas 15.00h, seguindo-se, no fim da  celebração, um lanche convívio partilhado nesse mesmo local.

José Cerca

Publicado no semanário “Discurso Directo” nº267 de 26 de julho 2013

Anterior:

Seguinte: