MÚSICA E SOLIDARIEDADE ENCHERAM O CADEIRAL DO MOSTEIRO DE AROUCA

por jcerca em 16 de Setembro de 2014

Cultura, solidariedade, gratidão e homenagem foram algumas das notas que constituíram um acorde harmonioso e polifónico que bem caracterizou o recital de canto e órgão que teve lugar no cadeiral do Mosteiro de Arouca, ao fim da tarde do domingo 14 de Setembro.

Apesar de, habitualmente, em Arouca os concertos e demais eventos culturais serem de entrada gratuita, a organização deste recital, por parte da “Semente de Futuro”, teve também como objectivo a angariação de fundos para o desenvolvimento das actividades desta Cooperativa de Solidariedade Social, sedeada no lugar de Chave.

assist

E foi reconfortante e estimulante, quer para os organizadores, quer para os artistas que, gratuitamente, disponibilizaram os seus dotes musicais para esta causa cultural e solidária da “Semente de Futuro”, verem completamente cheio o magnífico espaço conventual onde decorreu este concerto.

José Pedro Brandão, da entidade organizadora, começou por saudar todo o público presente e agradecer a prestimosa colaboração, quer das sopranos Cláudia Pereira e Luísa Brandão, quer do organista Nicolas Roger que as acompanhou. Evocou ainda a memória de Fátima Neves, uma colaboradora da Semente de Futuro que recentemente faleceu, tendo-lhe sido dedicada, em sua homenagem, a primeira peça de órgão com que abriu este recital.

Seguidamente, o Pe. Manuel Correia Fernandes, natural de Chave e actual Diretor do Semanário diocesano “Voz Portucalense”, fez uma apresentação geral sobre as peças que iriam ser interpretadas, fornecendo algumas informações históricas sobre os 4 grandes compositores que compunham o programa deste concerto e que são considerados como dos maiores vultos da história da música: Vivaldi, Bach, Haendel e Mozart, tendo todos eles vivido no sec. XVIII.

ass

Além de algumas peças para voz e orquestra, destes 4 compositores, interpretadas pelas sopranos Cláudia Pereira e Luísa Brandão, o concerto teve ainda a interpretação de sete peças para órgão a solo de outros autores famosos dos sec. XVII e XVIII  e que foram executadas no órgão ibérico pelo organista Nicolas Roger que soube deliciar o vasto público com a maravilhosa sonoridade do “rei dos instrumentos” que, desde 1743, pontifica naquele belíssimo espaço conventual que é o sumptuoso  cadeiral do Mosteiro de Arouca.

Na verdade, quer a música, vocal e instrumental, quer o rico cenário barroco envolvente constituíram uma harmonia perfeita que contribuiu também para a beleza visual e sonora deste concerto.concerto_flores

Está de parabéns a “Semente de futuro” que arriscou a realização deste recital e está de parabéns também o público que, em espírito de solidariedade e com gosto cultural e musical acorreu a este excelente concerto de Canto e órgão que fez da música e da cultura um gesto de solidariedade e de apoio social a uma Cooperativa de solidariedade social, a “Semente de futuro”.

José Cerca

Publicado no semanário “Discurso Directo” nº321 de 19 de setembro 2014

Anterior:

Seguinte: