ASSOCIAÇÃO CULTURA E DEMOCRACIA

por jcerca em 15 de Fevereiro de 2016

Eleição dos corpos sociais

Criada por escritura notarial no dia 11 de janeiro deste ano, a Associação “Cultura e Democracia” realizou no dia 13 de fevereiro, no auditório da Escola Secundária de Arouca, a sua primeira Assembleia Geral eleitoral para a escolha dos seus órgãos sociais.

Criada a partir da plataforma cívica “Círculo Mais Democracia”, este Círculo teve apenas como objectivo central, ao constituir-se, promover a reflexão com incidências sobre o rico e diversificado território de Arouca, nos seus mais diversos âmbitos.

A

E essa reflexão, ao longo do 1º ano da sua existência concretizou-se na iniciativa “Conferências de Arouca” que trouxe a Arouca um conjunto de personalidades de renome nacional nos mais diversos campos do saber, desde a organização do território, à economia, à cultura, à saúde, ao trabalho, à floresta e ao ensino.

Este conjunto de temas abrangentes, focados no território de Arouca, têm vindo a proporcionar uma reflexão de qualidade contribuindo assim para aumentar e estimular a intervenção cívica neste território.

Mas a actividade do Círculo Mais Democracia não se esgotou nas “Conferências de Arouca”. Na verdade, as “Jornadas de Ciência de Arouca”, numa organização conjunta com o Agrupamento de Escolas de Arouca, foi a actividade que maior impacto conseguiu em Arouca, permitindo, durante dois dias, o encontro de várias gerações de cientistas que iniciaram o seu gosto pela ciência e a sua caminhada de investigação na Escola Secundária de Arouca e que hoje continuam o seu trabalho de investigadores, nas mais diversas áreas, em instituições universitárias, não só nacionais, como também internacionais.

Assembleia geral eleitoral

Tratando-se da primeira Assembleia geral da recém-formada Associação “Cultura e Democracia” o primeiro ato foi a escolha da mesa eleitoral para coordenar os trabalhos e que ficou assim constituída: Fernando Regateiro, Carlos Esteves e Olga Soares.

A

Coube à mesa a aceitação da única lista concorrente e submetê-la à votação por voto secreto.

Constituída há cerca de um mês, a nova associação ultrapassou já, neste momento, uma centena de associados, tendo a lista candidata recebido 59 votos, sendo escolhida por unanimidade dos associados que participaram nesta primeira assembleia eleitoral.

Terminada a Assembleia geral procedeu-se à tomada de posse dos órgãos eleitos a que se seguiu um concerto de órgão no cadeiral do Mosteiro de Arouca e que constituiu, assim, a primeira iniciativa cultural desta nova Associação.

A

Com a interpretação de vários compositores dos sec.XVI,XVII e XVIII pelo organista titular, Nicolas Roger, este concerto contribuiu para que o público presente pudesse apreciar as magníficas potencialidades sonoras deste órgão ibérico datado de 1743 e que constitui uma bela peça organeira decorada com talha barroca executada por Manuel Bento Gomes.

Os corpos sociais

Direção

Manuel Brandão de Vasconcelos Alves (Coordenador)

António Alves da Costa

Carlos de Sousa Teixeira de Brito

Maria Antónia Soares dos Reis Brandão

Marta Cristina Teixeira Duarte

Assembleia Geral                                                                                       

Arnaldo de Brito Lhamas (Presidente)

Carlos Alberto Gomes Ferreira

Joaquim António Soares dos Reis Brandão

Conselho Fiscal                                                                                            

Jorge Manuel Moreira Gonçalves (Presidente)

António Brandão Tavares

Maria Josefina de Medeiros e Silva Fernandes de Pinho Brandão

O manifesto eleitoral

Quis a lista, que se apresentou a escrutínio, esclarecer previamente os eleitores sobre as motivações que servem de suporte ao seu programa de ação, através da divulgação de um pequeno manifesto eleitoral.

A

Nele a lista candidata esclarece que pretende dar continuidade, desenvolver e ampliar o trabalho já levado a cabo pela Círculo Mais Democracia e que se sintetiza em ”promover, no território onde nos encontramos, Arouca, uma democracia, mais culta, de melhor qualidade, mais informada, mais refletida, mais respeitadora e promotora da pessoa de cada um, nos valores da liberdade, da justiça, da solidariedade e da fraternidade”.

Como nova Associação arouquense, pretendem os signatários desta lista  que Arouca seja, cada vez mais referência no espaço nacional e talvez internacional. E acreditando que temos possibilidades de o conseguir definem como estratégias para o alcançar:  “teremos que ser capazes de, com a nossa terra e com a nossa cultura, olharmos para além do horizonte imediato como, aliás aconteceu em grande parte do trabalho anteriormente realizado pelo Círculo Mais Democracia”.

A

Inserindo-se no rico conjunto das numerosas associações e instituições existentes no Concelho de Arouca manifestam a sua abertura à colaboração mútua: “Não pretendemos replicar o que já estão a fazer, mas não enjeitamos a possibilidade de, sempre que seja julgado de mútuo interesse, podermos vir a ter iniciativas conjuntas.”

E esclarecem que a nova Associação  “não será, nem uma associação de terceira idade, de meia-idade ou de juventude. Pretende ser de uns e outros. Com o envolvimento ativo de uns e outros, quer ser lugar onde todos possam encontrar motivação para se encontrarem mais próximos no desenvolvimento dos objetivos antes enunciados”.

A

Embora ainda sem um plano de actividades, este manifesto aponta como instrumentos a seguir os que já foram usados anteriormente, desde conferências, debates, tertúlias e grupos de trabalho. E adianta, desde já, que  “não fecharemos as portas a outras formas de estar presente na sociedade que, em cada momento, possam parecer adequadas. Teremos como únicos guias, o aprofundamento da democracia, a justiça, a solidariedade, a fraternidade e o desenvolvimento sustentável”.

José Cerca

Publicado no semanário “Discurso Directo” nº393  de 19 de fevereiro de 2016

Anterior:

Seguinte: