LINHAS DELICADAS

por jcerca em 30 de Maio de 2016

“No dia em que a minha irmã Lúcia terminou o secundário a minha mãe levou-nos a Paris.”

É assim que começa o romance da mais jovem autora arouquense que, no passado dia 28 de maio, apresentou a sua segunda obra.

Tendo adquirido o estatuto de autora com a publicação de “Poesia Silenciosa” em 2014, foi com estas “Linhas Delicadas” que Cátia Cardoso se iniciou na construção literária romanesca.
Depois da apresentação de um livro de poemas na Biblioteca Municipal, um ano depois, neste mesmo espaço, é apresentado o seu primeiro romance “Linhas Delicadas”.

A

Na mesa da sessão de apresentação esteve presente o Presidente da Câmara Municipal de Arouca, eng. Artur Neves e a prof. de Filosofia da Escola Secundária, Rosa Sousa, tendo ambos tecidos alguns comentários elogiosos, não só sobre o romance apresentado, como também sobre a sua jovem autora.

Natural do lugar de Canelas e estudante de Comunicação Social na Escola Superior de Educação de Coimbra, Cátia Cardoso, neste seu primeiro romance, revela uma boa construção narrativa, despertando no leitor, desde o início, uma permanente curiosidade, por vezes até ansiosa, no desenrolar da linha condutora da trama narrativa. O desaparecimento inesperado e misterioso de uma das três irmãs, a Benedita, que abandona a família sem qualquer explicação plausível, é o motor que alimenta esta permanente curiosidade que vai aumentado ao longo do desenrolar da narrativa até ao seu desfecho.

A

Além de alguns ingredientes estilísticos e do recurso a diversas analepses (flash back) para enriquecer o desenrolar da narrativa, Cátia Cardoso revela ainda uma boa construção psicológica das personagens e uma surpreendente capacidade de articulação dos conflitos interiores das diversas personagens que tecem esta trama narrativa. A introdução de breves mas oportunos momentos reflexivos contribuem para enriquecer a mensagem que o romance pretende também transmitir aos seus leitores.

Embora pudéssemos descobrir, no âmago deste romance, uma réplica moderna da parábola do filho pródigo em versão feminina e na qual a ânsia permanente pelo regresso à casa paterna da personagem central, envolvida pelo seu misterioso desaparecimento, vai alimentando o interesse e a expectativa do leitor, a verdade e que ao longo da narrativa se vão cruzando três linhas delicadas mas algo complexas,  que  envolvem  três  vidas, três destinos, três personalidades temperamentalmente diferentes mas unidas por relacionamentos amorosos, por vezes algo complicados e que contribuem para manter em permanente expectativa o leitor até ao desenlace final.

“ A verdade é que a vida é uma linha e uma linha é sempre delicada. A nossa vida cruza-se com a vida de outras pessoas e nesse cruzamento de linhas há que nunca esquecer o quão delicadas elas são!”.

E são estas as linhas finais destas “Linhas delicadas” de Cátia Cardoso e cuja capa foi concebida por Óscar Valério, amigo da autora e também ele natural de Canelas.

A
No final da sessão de apresentação a autora autografou os livros adquiridos pelos interessados seguindo-se um Porto d’honra na varanda da Biblioteca Municipal, oferecido pela Câmara Municipal.

José Cerca

Publicado no semanário “Discurso Directo” nº408

de 3 de junho de 2016

Anterior:

Seguinte: